Financeiramente, como nos comportamos nós mulheres?

Submitted by Laura M Rodriguez on seg, 10/07/2013 - 18:03

Não é segredo pra ninguém que existem muitas diferenças entre os homens e nós, as mulheres. Diz-se que nós podemos fazer mais coisas ao mesmo tempo, que os homens tem mais facilidade com números e matemática, que as mulheres são mais habilidosas para aprender línguas e outras tantas comparações que corroboram a distinção entre gêneros. Distinção que se torna mais visível ainda quando se fala em administrar dinheiro e cuidar das finanças pessoais, pois o que para um é gasto desnecessário para o outro pode ser prioritário.

Desta vez gostaria de analisar e dar ênfase ao comportamento financeiro das mulheres. Geralmente destinamos muito tempo para compras, analisando detalhes e avaliando minuciosamente cada produto antes de adquiri-lo; mas, somente comparamos as características do produto e não o preço. Nossas decisões de compra têm fundamento na qualidade e prestígio, ainda que isto nos leve a gastar mais dinheiro do que tínhamos inicialmente orçado.

Já que preferimos destinar muito tempo para fazer compras, no geral acabamos comprando coisas que não são necessárias nem urgentes. O que não acaba sendo inconveniente, pois a “prevenção” faz parte do nosso cotidiano: sempre carregamos um dinheirinho a mais caso tenhamos alguma repentina necessidade, sendo o cartão de crédito praticamente nosso companheiro inseparável. Apesar de a organização caracterizar o nosso gênero, a emoção bate contra o nosso orçamento. Mesmo tendo estabelecido certa quantia para cada despesa, estamos dispostas a nos endividar ou sacrificar nossa estabilidade se consideramos que determinada despesa é realmente importante para nós.

Caso fosse perguntado o que a gente compra mais frequentemente, quais as coisas que consideramos inadiáveis e urgentes, com certeza este seria o resultado:

1. Roupa (blusas, casacos, vestidos, calças, roupa de baixo)
2. Sapatos
3. Acessórios
4. Maquiagem e perfumes
5. Cabeleireiro
6. Aparelhos tecnológicos para o cabelo

Sabe-se que nós mulheres preferimos - nisso somos diferentes da maioria dos homens - investir mais dinheiro na aparência pessoal, mas não podemos permitir que tais despesas tornem nossas finanças pessoais em catástrofe. A principal recomendação que devemos levar em conta - nós, amantes da qualidade e da organização - é encontrarmos o equilíbrio entre a razão e a emoção na hora das compras. Estabelecendo um orçamento com foco nas despesas obrigatórias (alimentação, transporte, serviços públicos, prestações, cuidado pessoal) poderemos perceber em detalhe que quantia dispomos para nossos “gostinhos”, ficando assim mais atentas para controlar o orçamento e evitarmos mais dívidas, garantindo nossa futura sobrevivência financeira caso qualquer grave crise batesse á porta das nossas finanças pessoais.