O que as crianças pensam sobre dinheiro

Submitted by Carlos E. Freitas on seg, 02/17/2014 - 13:40
Muitas vezes são as crianças que decidem para onde vai o dinheiro dos pais. Nesse post você verá o que realmente pensam as crianças a respeito da origem do dinheiro.

Como autor de quatro livros infantis de educação financeira, sou convidado para conversar com as crianças, professores ou pais sobre este tema. Quando o bate papo é com as crianças (com idade a partir dos quatro anos) algumas questões importantes me chamam a atenção. E elas não variam de acordo com a condição econômica dos alunos.

Elas querem!

O primeiro aspecto a destacar é o comportamento consumidor já presente nessas crianças. São pequenos grandes consumidores de várias categorias de produtos: brinquedos, roupas, viagens. Como obviamente não dispõem de renda própria, acabam consumindo todos esses produtos com a renda de seus pais ou outros familiares. Estimulados pela propaganda que os alcança das mais diversas formas, sabem quais produtos querem ter e quais são as marcas dos mesmos. Basta assistir a programação de algum dos canais voltados ao público infantil para presenciar o bombardeio de publicidade que os estimula a consumir os mais diversos lançamentos da indústria de brinquedo e do entretenimento.

Caberia aos pais dar uma freada neste comportamento. Mas muitos deles acabam por estimular ainda mais o consumo. Diversas são as razões. Muitos pais que não tiveram uma infância cercada de bens materiais acham justo que os filhos não tenham as mesmas privações que eles tiveram. Outros pais acreditam, por sua vez, que o bem estar material pode compensar a falta de tempo para estar com seus filhos. Afinal de contas o sucesso profissional exige uma dedicação muito grande e este mesmo sucesso é o que garante a qualidade de vida da família. Para eles, não há outro caminho.

Recompensas e sonhos

Um segundo aspecto observado é que para as crianças, o trabalho serve para se ganhar dinheiro. Com certeza, essa opinião vem sendo formada pelas observações do comportamento que os adultos que os cercam têm sobre o trabalho. Limitar o valor do trabalho somente à recompensa material advinda dele pode prejudicar muito a formação das crianças. Há mais valores ligados ao trabalho. Afinal uma das razões mais importantes para se trabalhar é a possibilidade de através dele termos a nossa realização. Realização como pessoa, capaz de realizar algo com competência, de fazer alguma coisa com paixão. Outra importância do trabalho é nos permitir ajudar a outras pessoas. Com o nosso trabalho, somos capazes de melhorar a vida de outras pessoas.

E por fim, outra observação é que grande parte das crianças resume seus sonhos para o futuro em ser rico. E há de se destacar que isto também ocorre em grupos de crianças de escolas particulares. Ou seja, grande parte das famílias destas escolas deve ter um padrão de vida muito bom, permitindo inclusive a opção pela escola privada. E isto é triste, pois é na infância que devemos ter os mais diversos sonhos. Nesta época é que podemos sonhar uma semana em sermos astronautas, na outra já somos jogador de futebol e pouco depois sonhamos em ser médico. O dinheiro deve ser consequência, não objetivo e as crianças deveriam ser ensinadas para compreender isso.

Acompanhe Carlos Eduardo no Facebook

Comentários